12/01/2010

ESTRELAS

estrelas 1

Quando um sonho se torna realidade,
a gente nem acredita.
Não sabe se chora, se ri ou se grita.
Se belisca.
Abre e fecha os olhos.
Apalpa.
Talvez esteja dentro da nossa natureza
não acreditar na realização
dos próprios sonhos.
Uma natureza pessimista.
A gente espera, certo,
mas no fundo não acredita.
Olhamos para eles como olhamos
para o arco-íris e as estrelas:
lindos, encantadores,
maravilhosos e inatingíveis.
Mas gostamos de olhar,
mesmo cientes de que
nunca poderemos tocá-los.
O fato de existirem já é um encanto
e um milagre Divino.
Nos satisfazemos.
E justamente por que não acreditamos,
não corremos atrás, não construímos,
não tentamos.
Olhamos para o que outros conseguem
e nos dizemos que eles têm muita sorte.
Não nos incluímos nessa categoria.
Mas se um dia resolvemos
pegar as sete cores do arco-íris
e trazer pra realidade das nossas vidas,
veremos que nós também temos muita sorte, que nós também podemos.
Se aproveitamos o brilho das estrelas
para iluminar nosso caminho
e não nos cegar, veremos que teremos
uma caminhada mais nítida.
Só vivemos de cinza por opção,
pois a vida é colorida, é intensa.
Vamos olhá-la com olhos nus.
Tocá-la.
Vivê-la.
Amá-la.
Correr atrás do que desejamos
e esticar os braços até alcançarmos.
Subir escadas, transpor barreiras.
Lutar pelo que nos realizará.
Brigar, se for preciso.
Chorar, mas de pé.
Talvez assim a gente não se surpreenda
tanto quando nossa mão atingir,
mesmo se timidamente,
uma das cores do arco-íris
ou a ponta de uma estrela.
Talvez outros se surpreendam.
Mas nós não.
Porque acreditamos.
Porque bem no nosso íntimo
sabíamos que o caminho poderia ser longo,
mas que um dia chegaríamos lá.

(Letícia Thompson)

9 comentários:

  1. Marcia!
    Há estrelas que estão bem pertinho de nós, nos nossos corações!!! Você, por exemplo!
    Bjkas!

    ResponderExcluir
  2. Maravilhosas essas ESTRELAS de Letícia! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Lindo. isso se chama, saber vivier. Ontem vi um psicólogo, um terapueuta famoso respondendo a uma pessoa, que estava na dúvida se fazia algo ou não, porque não sabia se ia dar certo. Ele disse: " a gente não faz o caminho antecipado, o caminho é feito andando. Você só vai saber, se tentar". E eu emendo: se não tentar vai ficar a vida toda não só na dúvida, mas com peso na consciência de não ter ao menos tentado". Beijos

    ResponderExcluir
  4. Que estrellas tan hermosas has compartido¡¡¡ bellisimas¡¡¡¡ besos y abrazos.

    ResponderExcluir
  5. Márcia, você é um Anjo!!!

    Este texto me encantou, que reflete teu lindo coração.
    Obrigado por estar sempre presente, porque você é um daqueles Anjos, que por acidente, caiu bem perto de nós, apesar de que estando longe, teu coração está conosco, compartilhando tua luz.

    Deixo um beijo, de gratidão, minha doce amiga!!!
    Beijo!!!!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Márcia, gosto muito deste blog - é até difícil descrever a sensação que senti ao acessá-lo. Parece que uma brisa repousa sobre nós. Ele chega a ser refrescante e deliciosamente tranquilo.
    Gostaria que postasse algo assim em meu blog, é possível? Talvez pudéssemos compartilhar algo. O foco de meu blog é dinheiro, investimento e daí você imagina como às vezes é denso, é pesado.
    Gostaria de tê-la ao menos como "seguidora", para que os que acessarem puderem tb. ter um local de refrigério, após falar de dívidas, empréstimos, etc.
    Obrigada
    Suzana Castro
    blogsuzanacastro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. muito lindo... a vida deve ser vivida sempre sobre o solo fértil da esperança! do amor e da fé!

    beijinhos,

    Gisele

    ResponderExcluir
  8. Marcinha,

    Quando um sonho se torna realidade, agradeço ao meu Altíssímo, pela oportunidade de saborear meus devaneios, mas o contrário, também me é verdadeiro, agradeço, ainda que o sonho não se transforma em realidade, porque o Altíssimo, sabe o que é melhor para mim.

    Seu blog é apaixonante.

    Beijos no coração

    ResponderExcluir

Obrigada por deixar seu comentário. Ele é muito especial para mim.